Termo 175, Dance Legend - Guestpost no The Clockwise Nail Polish!

18:25 Gi Milanetto 7 Comments

Duas camadas de Termo 175, Dance Legend.
Uma prática pouco comum na blogosfera brasileira, creio eu, é a de convidar outras pessoas para publicarem algo no seu canto, os chamados "guestposts". Hoje foi publicada minha primeira participação no cantinho de outra pessoa! Cristina, portuguesa fofa que conheci através de um grupo sobre esmaltes no Facebook, é a autora do The Clockwise Nail Polish, blog repleto de manis sempre lindas, às quais espero ter feito jus com essas fotos do 175, da Dance Legend. Dêem uma passada no post completo pra verem as minhas outras fotos e as de todas as lindas que passaram por lá neste mês! Muito obrigada pelo convite, Cristina!

7 comentários:

Congo, Panvel + XX, Cirque

23:54 Gi Milanetto 11 Comments

Duas camadas de Congo, Panvel + uma camada de XX, Cirque, finalizado com uma camada de Base Glitter, 5Cinco e uma camada de Extra Brilho, Ideal.
Já usei uma gama considerável de esmaltes artesanais dazamiga brasileira, mas ainda não tinha me aventurado pelas criações das esmaltólatras do resto do mundo. Certa vez, quase comprei alguns da Lynnderella, moça que foi provavelmente uma das primeiras meninas dessa onda de marcas alternativas de esmaltes a produzir e comercializar suas criações - desisti porque a tal provou-se bastante xiliquenta, e eu não considerava as coisas que ela criava tão mais bonitas que as das amigas daqui, que ainda estavam começando sua produção. E né, pra quê alimentar xilique se existem opções feitas com dedicação, carinho e respeito pelo consumidor?


Então apareceu Dany com a chance de pedir alguns Cirque através de uma pessoa que estava na terra do Tio Sam. Só tinha visto esses vidrinhos nas lindas unhas da AmyGrace, e já tinha me conformado que nunca teria acesso a eles, afinal a marca não enviava para cá - na época, nossas lojas de revenda de importados também não os tinham disponíveis. Resolvi escolher algumas cores, motivada principalmente pelo capricho na embalagem - e o designer que nunca ficou alisando o processo de acabamento de alguma peça, que atire o primeiro catálogo da Pantone.


O XX é deveras lindo - alguns glitters holográficos, outros metálicos, vários formatos e tons. Mas não é muito fácil de aplicar - por ser extremamente carregado, é preciso distribuir com carinho os glitters a cada pincelada. Particularmente, prefiro que sejam chatinhos por terem glitter demais a ter que caçar cada um deles e passar várias camadas. Por ter a base transparente, combina com vários fundos. Não tenho certeza de que há relação, mas sempre associei este vidrinho à banda The XX, e adoro esmaltes musicais!


O escolhido como base foi o Congo, da Panvel. Já usei este cinza chumbo cheio de brilhinhos ao menos três vezes, emprestei pra algumas amigas também, e guardo até um segundo vidro, como backup. Tenho a coleção África, da qual ele faz parte, inteira, mas o queridinho é sem dúvidas este fosco. Por conta do acabamento com o qual ele seca, pretendia matificar a combinação, mas acabei ficando com vontade do brilho em todo seu potencial, e finalizei com Base Glitter e extra-brilho espelhado. Não me arrependi, e desejei usar o Congo sozinho novamente.


As manis mais escuras são sempre as que me agradam mais. Desta, gostei por ser alegre, apesar de escura. Os tons dos glitters do XX são lindos, e adoro em particular o losango dele - sou a única a ter um "glitter preferido" em alguns esmaltes com vários tamanhos e cores diferentes? HAHAHA


Enfim, essa foi uma das combinações de esmaltes mais cruéis dos últimos tempos: por um lado, achei lindíssima, brilhante, elegante e insira-aqui-quaisquer-outros-elogios-do-gênero. Por outro, esse Cirque tem um perfume esquisito que desconfio ter me causado enxaqueca ;( Tenho mais alguns da marca, mas pretendo usar quando for mexer com água em seguida. Sou bem sensível com cheiros, e ao meu ver, esmaltes não deveriam receber aromatizantes jamais - já usamos tantos cosméticos diferentes com aromas diversos... Não precisamos de mais um ;(


 Como escrevi o post ao som de The XX, deixo uma segunda música deles, pra quem quiser curtir. Na verdade, o vídeo de Angels, a música que linkei, lembra demais o esmalte - será que há alguma relação, afinal?

11 comentários:

Big Money, Sally Hansen + Pueen 26

23:42 Gi Milanetto 16 Comments

Duas camadas de Sand, Beauty Color + uma camada de Big Money, Sally Hansen + duas camadas de Base Glitter, 5Cinco + estampado com esmalte para carimbo Lilás, La Femme e placa Pueen 26, finalizado com Verniz Extra Brilho, Impala.


Eis uma combinação que não estava nos meus planos. Esses dias, papeando com a Dany sobre placas, acabei sendo adicionada por ela ao Adventures in Stamping, um grupo do Facebook dedicado às manicures com carimbadas. Semanalmente, o pessoal escolhe através de votação um tema, que deve ser postado no domingo seguinte. O deste, e primeiro em que resolvi participar, foi carimbar sobre um esmalte nude.


Se não tivesse sumido do mapa, minha escolha de base teria sido o Fast Track, da China Glaze. Na falta do meu nude brilhante lindo, optei por um glitter de igual beleza, o Big Money, sobre o Sand da Beauty Color, para que eu pudesse usar menos camadas do Sally Hansen. Como ele tem, além de pigmento dourado fininho e brilhante, glitters lilases, escolhi carimbar em lilás um rococó da placa Pueen 26.


Ficou uma mani extremamente delicada e brilhante, e precisei duns paranauês brutos pra fotografar com alguma dignidade... Somado ao brilho do glitter, usei duas camadas de Base Glitter, para que as unhas ficassem com um aspecto vitrificado antes da carimbada, o que gera reflexos que também dificultam enxergar a estampa.


Nunca havia usado o Lilás para carimbo da La Femme, e achava que ele seria bem metálico, com bastante cobertura - ledo engano, a estampa ficou translúcida e mais difícil ainda de destacar em fotos... Ainda assim, é um bom esmalte e não perdi nenhuma estampa com ele, a placa da Pueen, o carimbão e um cartão velho como raspador.


Gostei muito mais dessa esmaltação ao vivo que nas fotos, e um dia pretendo mandar tão bem nas carimbadas quanto várias das meninas do grupo mandam. Quem fala um teco de inglês, gosta de carimbar e de falar sobre isso, corre entrar , que tem muita coisa boa!

16 comentários:

Only Mine, Penélope Luz

13:28 Gi Milanetto 20 Comments

Duas camadas de Carbono, Colorama + uma camada de Only Mine, Penélope Luz, finalizado com uma camada de Base Glitter, 5Cinco e uma camada de Extra Brilho, Ideal.


Essa foi a primeira combinação que decidi que faria dentre a nova coleção dos esmaltes da Penélope Luz. O Only Mine me surpreendeu demais ao vivo, não achava que ele seria tão lindo assim quando vi as primeiras fotos!


De base transparente, repleto dum pigmento bem fininho esverdeado e glitters delicados num dourado holo, teal e cinza chumbo, esse bonito conta ainda com glitters em formato de lua prateada, estrela teal e coração cinza chumbo, tudo holo, o que resulta em uma das manis mais brilhantes de todos os tempos! Fiquei com a sensação de que é uma galáxia toda dentro desse vidrinho. Apaixonante!


Esse glitter também fica lindíssimo em bases claras, mas achei que o Carbono era o fundo perfeito, por se tratar de um cinza bem escuro com shimmer muito delicado num verde petróleo, o que complementou os tons esverdeados da criação da Lu.


Estou com essa mani há três dias, e é a primeira vez em que uso algum glitter desses com formatos diferentes por mais tempo. Tinha receio de que ficaria enroscando em tudo, mas o acabamento ficou muito liso depois da Base Glitter e do Extra Brilho. Gostei muito do fato deles terem ficado discretos na combinação, já que apenas olhando com atenção repara-se nos formatos - de longe, são perceptíveis como elementos brilhantes nas unhas.


Algumas das estrelinhas grudaram no pincel sem que eu tivesse que caçá-las, mas como queria pelo menos um glitter de formato em cada unha, pesquei do vidro e posicionei com um palito de laranjeira. E esse brilho todo foi conseguido com uma única camada! Gosto demais de esmaltes com pigmento fininho, exatamente pelo brilho absurdo que eles ficam com apenas uma camada.



Essa cor foi criada exclusivamente para a loja Maria Gastadeira, e eu realmente imagino o Leo na maior vibe Doutor Abobrinha, falando que esse esmalte será meu, meu, MEU, MOAHUAHUA, portanto quem quiser um vidrinho desses na sua coleção, precisará se juntar ao grupo das Gastadeiras e pimbá-lo se for capaz.


20 comentários:

Burgundy Mix n' Match

22:40 Gi Milanetto 12 Comments

Indicador e mindinho: três camadas de Realeza, Jade. Médio e anelar: duas camadas de Açaí, Colorama, com uma camada de Vampire, Penélope Luz no primeiro e estampa da placa Pueen 44 carimbada com Metal Plum, Layla. Polegar escondido com Açaí e gradiente de Vampire.

Estava testando tons de base pro Vampire num disco de unhas, mas coloquei o Realeza e o Açaí lado a lado e decidi que precisava fazer uma combinação dessas duas cores. Adorei a textura do glitter holo do Jade ao lado do perolado perfeito da Colorama! Infelizmente, quando coloquei nas unhas, não gostei tanto da mani, mas resolvi fotografar mesmo assim. Acabou que essa primeira foto é uma das minhas preferidas com carão HAHAHA. O batom que dá uma pinta é o Exotic, da Tracta.


Este Açaí é um maldito! No disco e com uma camada na unha, é um roxo quente, mas com duas, puxa mais pra um tom frio, e eu estava querendo uma mani de roxos mais avermelhados. Já que a história toda começou porque estava testando o Vampire, usei-o nas unhas dos dedos médio e polegar, que acabaram ficando mais azuladas ainda por conta do pigmento duochrome do artesanal. Não foi a melhor escolha de base pro glitter, mas esse PL é tão brilhante e fácil de aplicar que acabei deixando. Ainda quero uma combinação melhor para usá-lo novamente!


O Layla que usei para carimbar é da coleção Mirror Effect, aqueles que prometem deixar um efeito cromado espelhado nas unhas - o problema dessa coleção, pelo que vi por aí, é que a durabilidade é muito baixa. Desejei uma cor qualquer destes por um bom tempo, e comprei numa ótima promoção. Depois de tê-lo usado para carimbar, fiquei querendo ter todos - são ótimos pra isso! Cobrem tons mais escuros e, por serem muito lisos, estampas com detalhes menores ficam perfeitas.


Por fim, o Jade é da coleção Special Glitz, que logo que foi divulgada, gerou a expectativa de que seriam dupes dos 3D Effect da L.A. Girl, ou dos Ornate da Zoya. Infelizmente, os glitters holográficos dos brazucas não são shredded, aqueles recortadinhos disformes, então o efeito deles acaba sendo bem diferente do dos gringos (e parecido com o dos Ellen Gold 5D). Ainda assim, muito bonitos! Acabei não usando extra-brilho nessa mani porque não ia nem fotografar, mas creio que ambos os glitters ficariam muito mais dignos com uma camadinha esperta de algum roxinho.


Nunca fui fã do tom, mas neste inverno, me apaixonei por bordô, e quis tentar uma mani que representasse o tom. Ainda vou fazer mais tentativas!

12 comentários:

Dracarys, Penélope Luz

20:26 Gi Milanetto 6 Comments

Uma camada de Intuição, Ellen Gold + uma camada de Flashback, Mohda + uma camada de Dracarys, Penélope Luz.
Eu até tinha planos de fazer um mix pavonístico esses dias, pra acompanhar azamiga, mas não pude evitar usar o mais rápido possível o meu PL preferido dessa coleção, conforme já havia dito nesse post, o Dracarys. Já aviso que não vou spoilar nada acerca dos acontecimentos de Game of Thrones neste texto, apenas comentar sobre os antecedentes do universo, então mesmo quem ainda não assistiu, pode ler tranquilamente...


O esmalte fica absurdamente lindo em bases nude ou offwhite, mas eu testei algumas outras combinações no disco e fiquei encantada pelo verde oliva como fundo - na verdade, ando gostando muito da combinação de verde oliva com laranja queimado, deve ser consequência do início da saga ruiva... Acabei repetindo o Intuição, que já havia usado nessa mani, e adicionei uma camada do lindíssimo Flashback, da Mohda. Esse esmalte tem uma baita cara de gringo, brilha muito e tem acabamento glass flecked, o que garante brilho em várias cores. A Nunih já usou e postou o bonito sozinho - no meu anelar, usei apenas o Ellen Gold e o Mohda, além de um water decal de dragão, pra tematizar a coisa toda.


O brilho do Dracarys é algo fora de série. Dotado de pigmentos finíssimos, semelhantes aos do Selene loves Endymion, o acabamento fica lisinho sem extra-brilho, e mais brilhante que qualquer glitter. Eu vejo ainda alguma coisa meio duochrome entre verde e dourado, e essa é a razão pela qual acabei escolhendo o fundo verde - os tons juntos realmente parecem pele de dragão.


Esse esmalte foi o modo que Lu encontrou de extravasar a empolgação após assistir a melhor cena de Game of Thrones na verdade, a primeira vez em que o termo "dracarys" é pronunciado não é a cena que eu linkei, mas essa é melhor AHAHHA. Quando vi o vidrinho pela primeira vez, há tempos atrás, ainda não tinha assistido à série - inclusive, não sou uma pessoa de séries. Por outras razões, acabei vendo de uma vez só as três temporadas, já esperando pela tal cena do dracarys, e já simpatizando pouco a pouco algo que não se deve fazer ao ver este seriado, já que o autor é conhecido por matar personagens como se fossem pernilongos com a personagem que pronunciaria tal palavra - Daenerys, que é a última da casa dos Targaryen, clã que conquistara e dominara os sete reinos durante muito tempo, pois além de seus exércitos, tinham como aliados seus dragões. A casa perdeu o trono para Robert Baratheon com a morte do último dragão e com o e assassinato de todos seus integrantes, exceto a menina e seu irmão, que haviam sido mandados para longe da guerra. Ambos já adultos, o irmão tem, além de sede de poder, uma irmã lindíssima, que é facilmente vendida num casamento arranjado a troco de exércitos - a história dela na série começa a ser contada deste ponto.


O que acho mais interessante na personagem é o crescimento dela - de uma beldade objetificada, vendida à troco duns brutamontes que não acreditam que é possível atravessar o mar e que são obcecados pelos seus cavalos, a uma rainha - rainha não, khaleesi - poderosa, com grande senso de justiça e um dom indiscutível para comandar, cercando-se de aliados que de fato acreditam na sua causa, a amam e admiram. É uma mulher comandando um exército! A série toda me espantou pelo tratamento de questões de gênero - tem espaço pra mulher de todo jeito, desde as que querem se casar e continuar a vida pacata de uma Lady de alguma casa, passando por esposas de lordes com papéis estratégicos fundamentais na guerra, mulheres espadachins da guarda real, até meninas com pouca habilidade em bordado e muita em manejo de armas que ganham aulas de espada de presente de seus pais. Isso, no meio de muito sangue e crueldade, é lindo! Quem já tiver assistido à série e gostar da Daenerys, dá uma lida nesse ótimo texto. Algumas coisas da história dela fizeram mais sentido pra mim depois de tê-lo feito!


Sobre o esmalte, nem tenho muito o que falar além de elogiar, e também foi uma das minhas manis mais elogiadas dos últimos tempos. O Dracarys é facílimo de aplicar, ainda mais com o pincel achatadinho, e bom, já comentei sobre o quanto ele brilha?


Já usei outros water decals como este, são todos da mesma leva. Sempre que uso, adoro - fico paquerando as unhas, eles parecem jóias, além de serem super simples de aplicar. Pra quem não tem paciência com carimbadas e gosta de decorar as unhas de vez em quando, acho uma opção muito boa!


Particularmente, adoro combinar elementos gráficos das manis com o tema que o nome do esmalte sugere, mesmo que só eu saiba do motivo todo a cada olhada pras mãos. Ao menos tenho esse canto pra dividir com quem tiver paciência de ler! Hahahah :)

E pra quem quiser um exemplar dessa linda e forte palavra transformada em esmalte, só ficar de olho na fanpage da marca, na qual sempre se avisa quais lojas repuseram os estoques do amor que a Lu envasa a cada lote de vidrinhos!

6 comentários:

Cuidados

11:45 Gi Milanetto 14 Comments


Este post é uma sequência do anterior, no qual falei sobre como preparo as unhas para esmaltar. Aqui, pretendo comentar sobre as tralhas que uso pra manter as garras em dia, e sobre os produtos que me ajudaram a parar de tirar cutículas e que sempre recomendo por aí, quando me perguntam.


O  meu trio de cuidados atual é esse acima: o Cuticle Remover, da Nfu-Oh (17mL), o óleo para cutículas Avoplex, da OPI (15mL), e a manteiga para cutículas Lemony Flutter, da Lush (50g). E só!

A manteiga da Lush tem tudo isso que mostra na foto ainda, sendo que usei constantemente por dois meses - confesso que, atualmente, uso cerca de 3 vezes por semana - e que já enchi dois potinhos de 7g pra duas amigas testarem - elas ainda estão testando! -, ou seja, o negócio rende! Uma ponta de dedo do creme é suficiente para as dez cutículas da mão. Inicialmente, achei o aroma meio forte, mas me acostumei a misturá-lo ao do creme de mãos - tenho usado a Polpa hidratante para mãos Ekos Cacau, da Natura - e passei a gostar! Tenho a impressão de que somei dois cheiros esquisitos e fiquei com um gostosinho HAHAH. Gosto de usá-la antes de dormir, e super acho que faz maravilhas em pouco tempo.

Sobre o removedor de cutículas, já falei no post anterior, mas acho válido comentar neste que o Cuticle não vai substituir o alicate do dia pra noite! Só passei a usá-lo um bom tempo após parar com o alicate, tendo a pele da região já bem hidratada, inclusive pela Lemony Flutter. Ainda assim, percebo um ressecamento leve quando o utilizo - e é aí que entra o óleo para cutículas.

O Avoplex é meu produto importado de cuidados com cutículas mais antigo, e ainda assim é notável o quanto ainda tenho no vidro... Não me adaptei usando-o nas mãos durante o dia, já que acabava deixando tudo em que eu tocasse com manchas oleosas, então passei a usá-lo nas cutículas dos pés, e vi que minhas Dilmas haviam sido bem gastas. Outro ótimo uso foi passá-lo após o Cuticle Remover - o ressecamento causado pelo Nfu-Oh é combatido com dignidade pelo óleo da OPI. Normalmente, durmo usando-o após fazer a faxina nas cutículas. Existe também o Avoplex To Go, uma caneta que contém o mesmo óleo armazenado de uma forma que torna a aplicação muito menos melequenta, mas este ainda não comprei pra testar. O cheiro é bem característico, e nem sei dizer se é parecido com alguma outra coisa, mas não me incomoda. Apesar de gostar do óleo específico para cutículas, talvez pudesse substituí-lo tranquilamente pelo...


Óleo de amêndoas! Quem nunca teve ou viu um desses pelos armarinhos do banheiro de casa, que atire o primeiro tubo de Yamasterol. Já ouvi por aí que esse é o melhor produto hidratante já inventado - minha mãe passava na barriga pra não ter estrias enquanto estava grávida (e de fato, ela não tem!), serve pra fazer umectação nos cabelos (quando não tem óleo mineral ou outras porcarias na composição) e pra várias outras coisas, mas a que cabe neste post é a esfoliação de cutículas com sal ou açúcar. Numa superfície lavável (eu sempre preferi algo de vidro, como um pires), coloca-se três ou quatro gotas do óleo de amêndoas e uma pitada de sal ou açúcar. Pega-se um teco da mistura com a ponta do dedo e esfolia-se cada cutícula, massageando em círculos por alguns segundos, e logo após, removendo a meleca em água corrente com o auxílio da amada escovinha de unhas. Essa deve ser a melhor manha boa e barata para manutenção de cutículas felizes! No entanto, não é legal exagerar na quantidade e pressão na esfoliação - uma vez por semana, escovando gentilmente para remover o óleo, deve ser o suficiente!


E falando em cutículas felizes, definitivamente não é preciso apoiar-se apenas em produtos importados para mantê-las. Estes quatro da foto favor ignorar o pote de Lemony atrás do Nivea, ele só está aí pra segurar a lata AHAHHA foram alguns dos primeiros que me ajudaram a aposentar o alicate.

Começando pelo mais clássico: Avon Nail Experts - Mira Cuticle, complexo redutor de cutículas (20g). É um creme branco, sem muito cheiro e fácil de aplicar apenas sobre a linha das cutículas, que promete reduzi-las após um certo tempo de uso. Foi o primeiro produto que usei todas as noites, religiosamente, e sou do time que o defende. Há várias resenhas por aí, mas acho que vale pagar o pouco que ele custa, testar sua disciplina e ver por si mesma se é um bom produto... Mas aí fui pesquisar quanto ele andava custando e descobri que não está mais no catálogo. Avon, tem que ver issae! O Mira funciona, já tentaram tirá-lo uma vez e acabou voltando, não reduzam ainda mais a escassa oferta no mercado nacional de produtos pra cutícula! ;(

Usei na mesma época a Cera nutritiva unhas e cutículas da Granado Pink. O aroma é de "linha Pink" - tudo deles tem mais ou menos o mesmo cheirinho, que eu acho bem gostoso. Três vezes ao dia, religiosamente, junto do Mira Cuticle toda noite - era minha primeira receita em prol da não-retirada de cutículas. Mas a primeira cerinha custou uns R$10, a segunda já pulou pruns R$15 e fui atrás duma alternativa mais barata: a Cera hidratante para unhas e cutículas Hidracuty, da Fina Flor (6g). Custou em média R$9, tem 1g a menos e a tampa é anexa ao pote principal, o que eu considero esperto em relação à da Granado, já que o manuseio é mais fácil. Tem cheirinho de chiclete, e faz a mesma coisa que a primeira fazia - não tenho uma preferida entre essas duas, considero-as igualmente eficientes.

Por fim, meu primeiro creme mais encorpado, pros dias de maior ressecamento: Nivea Creme (30mL). Essa é uma latinha pequena, mas já tive versões grandes, com decoração na tampa etc, mas sempre o mesmo "creme da lata azul". Não é específico para cutículas, mas é um hidratante bem poderoso e melequento, logo, funciona bem nelas e rende bastante. Um creme clássico e bom de se ter por perto!


Por fim, o meu Photoshop para mãos da vida real: o Sérum transformador para mãos Chic, da Panvel (50g). Além da embalagem fofíssima e do cheirinho agradável, esse creme tem uma textura diferente, que se aproxima de um gel - daí o nome "sérum", duh hahaha -, que deixa a mão aveludada logo após a aplicação. Uso antes de fotografar, quando o ressecamento fica fora de controle - moro numa cidade bastante seca... Presenteei minha mãe e minha sogra com um desses, e ambas também gostaram muito do efeito mesmo não  fotografando mãos como eu HAHA. Pessoal do sul, invejo-os eternamente pelos cremes de mão que a Panvel-vossa-de-cada-esquina oferece. Muita coisa boa a preços igualmente bons!

Enfim, creio que dá pra manter as cutículas no lugar, sem precisar quebrar o porquinho e dar adeus à tantas Dilmas assim. Tem bastante coisa nacional com preços aceitáveis se considerado o rendimento, e mesmo os produtos caros duram muito, o que acaba diluindo o valor deles. Persistência é fundamental - vão uns meses até as benditas começarem a se comportar, mas ao meu ver, vale a pena. Caso esse negócio todo não seja pra você, também dá pra tirar cutículas com alicatinho devidamente afiado e esterelizado, mas um bom creme pra mãos e cutículas continua sendo algo legal de se usar!

Agora bora todo mundo cuidar melhor das mãos! Só não precisa ficar paranoica, mas um mimo consigo mesma é sempre válido! Contem-me do que gostam também!

14 comentários:

Pré-esmaltação

11:00 Gi Milanetto 38 Comments

Esse pode ser um post inútil pra maioria das meninas que costuma passar aqui, já que provavelmente vocês, assim como eu, esmaltam as unhas há anos sozinhas, e já devem ter ouvido falar desses macetes todos por aí. Mas sempre aparecem meninas novas na arte de pintar as próprias unhas, e também as meninas de fora da redoma esmaltística, que sempre ficam indignadas com o fato de eu não tirar cutículas. Aí resolvi fotografar o processo pré-esmaltação e colocá-lo num post, e também escolher alguns produtos para mãos dos quais gosto, para outra postagem. Não é exatamente um tutorial, não tem fundo branco, não é muito didático, não são fotos bonitas, é só a minha mesa multifuncional, a baguncinha de esmaltes que sempre está por lá, o origami que roubei da Dany me deu e o modo como eu faço as coisas. Comecemos então pela parte de preparação das unhas! 

1. Retirando o esmalte antigo

Eu já tentei abolir a acetona da minha vida, e usava um removedor de esmaltes da Ideal, mas ao colocar um algodão embebido em Lutex nas unhas pela primeira vez, voltei atrás nessa decisão. Lutex é uma acetona da marca 5Cinco, que remove o esmalte com muita facilidade e não deixa a unha esbranquiçada como as marcas baratinhas. Compro de tubão e uso esse frasco com pump em cima do disco de unhas pra armazená-la.


Na foto acima, meu truque atual para remover esmaltes chatos. Todo e qualquer glitter, por exemplo, é chatinho de tirar. Existem opções como a base Peel Off da Essence, que facilita arrancar a camada de esmalte das unhas, ou envolver com papel alumínio os dedos com um algodão embebido em acetona/removedor sobre cada unha. Minha mutreta deriva dessa segunda - ao invés de colocar um papel alumínio por dedo, deixo os quatro dedos nesse saquinho por uns minutos. Sai quase tudo numa puxada só!

2. Removendo imperfeições superficiais


Algumas de nós tem as unhas onduladas, outras, com estrias, e muitas, unhas amareladas, seja qual for a razão - um esmalte que manchou, não usar base, passar 99% do tempo com pigmento sobre as garras.Independentemente do problema, uma solução possível é a lixa de polimento, dica da Lu. Eu gosto desse bloquinho, com os quatro lados de mesma gramatura, bem fininho. Tem de diversas marcas, todos são iguais - mas também tem uns cuja lixa é bem mais áspera, então cuidado na escolha!


Não é legal fazer isso com muita frequência, já que desgastar a camada superficial da unha pode provocar o enfraquecimento desta - logo, pode quebrar com mais facilidade! Eu devo polir no máximo uma vez ao mês - na verdade, quando acho que já estão um pouco amareladas.


Acima, as unhas do indicador e do dedo médio já polidas, e as do anular e mindinho, ainda não. Conseguem notar o amarelinho chato?


Com todas as unhas branquinhas, o bloquinho passa a ser o amarelado da história. Eu acredito que apesar de usar base em todas as esmaltações, não tem jeito - os pigmentos dos esmaltes ficam retidos nas unhas, ainda que em pouca quantidade, devido aos vários dias do esmalte em contato conosco. Mesmo estando quase nunca sem esmalte, gosto de polir de vez em quando e saber que tá tudo bonitinho embaixo da casquinha colorida :)

3. Lixando

É a hora de dar formato pras garras. Eu uso quadradinhas há bastante tempo, mas quando comecei a fotografar unhas e num período de quebra de cantinhos, usei ovaladas. É tudo questão de gosto, já que existem unhas lindas de tudo que é formato, apesar de eu definitivamente não ser fã de stilleto!


Meu tipo de lixa preferido é esse - aquelas gordinhas, grossinhas e estampadas. Acho-as mais suaves e eficientes que as de papel.


A posição de lixamento também é pessoal - minha mão direita, lixo como na foto acima, com a esquerda fixa e a direita se mexendo. Já a esquerda, ao contrário - unhas voltadas para mim, esquerda fixa e direita se movendo. Costumo comparar e igualar o comprimento das unhas da mesma mão entre si, e também dos mesmos dedos das mãos opostas. Só tem um detalhe que não deve ser pessoal: ao lixar os cantos, sempre levo a lixa no sentido cutícula-ponta da unha, nunca ao contrário, já que me lembro de ter lido por aí que o outro sentido favorece a quebra.


Essa é uma lixa de vidro. A minha é da Mundial, comprada por aqui mesmo, há alguns anos. Nunca mais vi à venda, mas existem várias opções baratinhas vendidas através do Ebay - caso alguém queira, é só procurar por glass nail file. É a minha lixa mais suave, e gosto de usá-la na finalização, já que levaria uma vida inteira pra diminuir comprimento, por exemplo.


A primeira forma de acabamento é lixar a ponta das unhas com a ferramenta meio inclinada em relação à unha, sempre de cima para baixo, para que os perfis delas fiquem arredondados. Eis outro procedimento que já li por aí que aumenta a durabilidade do esmalte.


A segunda finalização é a retirada de rebarbas que ficam embaixo das unhas após o uso das lixas comuns. Com a pontinha, vou lixando a unha por baixo, até acabarem as rebarbinhas.

4. Cuticle Remover


Até uns meses atrás, não usava nada para remoção de cutículas, apenas cremes e ceras para mantê-las hidratadas. Por conta da indicação também da Lu, quis testar o Cuticle Remover da Nfu-Oh. Segundo ela, este é o removedor de cutículas mais suave já inventado - existem alguns de outras marcas que, de tão fortes, acabam machucando, ou devem ser usados estritamente por um minuto. A proposta de todos eles, no entanto, é a mesma: remover apenas a pele morta que habita a região, mantendo a cutícula intacta. Sem alicates, sem arrancar bifes, sem levantar pelinhas! Há algumas razões pelas quais não tiro mais as cutículas: demora muito, e só a esmaltação feita imediatamente após a retirada fica bonita, já que uns dias depois as peles começam a levantar. Além disso, depois de uns tempos mantendo-as apenas hidratadas, o dedo dói quando se faz o procedimento de remoção novamente.


O Nfu-Oh é bastante suave mesmo - logo após a aplicação, a sensação e o aspecto da pele não se alteram. O uso é simples, e eu aprendi com a Kelly, pessoalmente! HAHA :) Com o pincel, idêntico aos de esmaltes, deposita-se um tanto do líquido nas cutículas de uma mão. Eu espero secar - coisa de um minuto - e aplico novamente, para facilitar a remoção do excesso de pele.


Passo uma espátula para empurrar cutículas ao redor delas, e voilá - um monte de pelinha morta saindo magicamente, sem dor, sem sofrimento e sem bifes.


A foto acima não é muito bonita, mas é necessária ;/ Raramente tenho alguma pele levantada pelos dedos, mas quando elas aparecem, corto com o alicatinho de cutícula. É a única razão pra eu ainda manter um por perto... E imediatamente após a utilização do produto, precisa lavar as mãos muito bem lavadas! Acho que ele acaba causando uma ressecadinha na pele, então é bom passar um óleo/creme/cera na região após o uso, ou após a esmaltação completa.

5. A escovinha!


A escovinha é um passo por si só, porque ela é muito amor! Com um teco de sabonete, depois do Cuticle Remover, garante que o produto foi completamente retirado e ainda promove uma esfoliação leve na pele, algo que é sempre bem-vindo - as cerdas precisam ser bem molinhas! -, e mesmo quando não uso o Cuticle, escovo as unhas antes de qualquer esmaltação. Unhas limpas - sem resíduos de cremes, esmaltes antigos, removedores, óleos, oleosidade da própria pele - são garantia de maior durabilidade de qualquer esmalte. Lógico que isso não faz milagre em casos de vidrinhos chatos cuja durabilidade é de algumas horas, mas depois dessa dica, Colorama passou a durar uns dias em mim, sendo que a marca costumava lascar bem rápido. Esse truque, creio que aprendi no finado Esmaltes da Ana.


Unhas prontas para receberem base e esmalte! Com a cutícula em seu devido lugar e sem excesso de pele morta, o acabamento do esmalte vai ficar tão bom quanto numa mão cuja cutícula foi recém-retirada, com a vantagem de que, se devidamente hidratada, vai durar muito mais bonitinha assim do que se tivesse sido de fato removida!

6. Escolha da base


A base que tenho utilizado é o Fortalecedor 4 x 1, da Fortilon. Baratinho, e de fato minhas unhas passaram a quebrar muito menos após começar a utilizá-lo. Está no fim, mas com umas gotinhas de diluente de esmaltes, funfa perfeitamente ainda! Sempre optei por bases fortalecedoras, já que minhas unhas não são onduladas ou estriadas. É legal aproveitar pra escolher uma que também seja um tratamento do qual estejamos precisando!


A melhor base fortalecedora/de crescimento que eu conheço é a Rejuvacote, da Duri, que foi dica da Sam. Minhas unhas já andam crescendo mais rápido do que eu gostaria, então nem tenho usado, mas esse vidrinho deu mais resultados nas unhas da minha mãe - fracas, finas, quebradiças e estriadas - que a base manipulada que ela estava usando. Alguns tratamentos cosméticos acabam sendo bem eficientes, e essa base é o maior exemplo disso com o qual já me deparei.


Eu costumo aplicar tanto a base quanto a cor ligeiramente longe da cutícula, processo conhecido como "esmaltação americana". Muitas meninas aderiram por diversos motivos: é mais fácil de esmaltar quando o pincel não está descabelado e de limpar, o que acaba ressecando menos a pele ao redor das unhas, por não haver tanto esfrega-esfrega na coitada. Mas o motivo que me fez gostar de verdade do estilo foi o resultado ao longo dos dias: quando esmaltava o mais próximo possível da pele, após alguns dias já havia um vão, e o esmalte antes colado na cutícula ficava meio levantado. Na esmaltação americana, o vão aumenta mas o acabamento ainda fica perfeito. Hoje em dia, inclusive, gosto bastante daquele vãozinho perfeitamente desenhado entre a cutícula e a cor. A musa suprema do vãozinho perfeito é sem dúvidas a AmyGrace. Mas também temos muitas meninas boas por aqui: a Thaís, por exemplo, é uma das brasileira que merecem menção honrosa!


Encerrei a fotografia do processo na base porque acabou a luz natural não tem grandes novidades no modo como eu esmalto. Não sei limpar a esmaltação americana com pincel, sou fã do palitinho com algodão mesmo. Mas se alguém se interessar e pedir com jeitinho, numa próxima vez, eu fotografo!

Dois dos posts mais legais sobre preparação das unhas são os da Lu e o da Anna (sério, vale a pena usar o translate do Chrome pra entender a moça russa!). Sobre esmaltação americana, tem o tutorial da Eve. E provavelmente, muitos outros que não conheço ou dos quais não me lembrei. Particularmente, gosto muito de ler posts como esses das outras meninas, porque muitas vezes elas fazem as coisas de um jeito mais fácil que o que eu conhecia. Espero que tenham gostado do meu também!

38 comentários: